Logo Compliance Station - Programa de Integridade

Compliance não é análise de crédito, financeira ou fiscal

Compartilhar:

compliance o que é

Muitos ainda desconhecem o real conceito do Compliance. Isso é natural, pois Compliance é matéria nova e ainda há muita gente propagando ideias confusas e equivocadas.

Desse modo, observa-se um dano enorme, sendo as próprias instituições as mais prejudicadas, ao deixarem de usufruir de inúmeros benefícios, muito superiores aos investimentos necessários. Em seguida, são as pessoas a sofrerem, pois, um dos benefícios mais importantes desperdiçado é o fortalecimento do ambiente saudável no trabalho.

E sabe por que esse fenômeno ocorre? Porque o Compliance, em muitos casos, é visto como burocracia, como perda de tempo, modismo, entrave para os processos, coisa complicada, só atrapalha em vez de ajudar, etc. No entanto, nada disso é verdadeiro!

E fica um alerta: se a sua empresa já tem Compliance e qualquer uma dessas ilações acima é percebida, avalie a seguir qual das 3 causas possíveis se enquadra no seu caso:

  • Você não entendeu o que o Compliance está fazendo;

  • Se entendeu, então, o Compliance está fazendo errado… ou seja, foi mal implementado;

  • Mas, se você entendeu e o Compliance foi bem implementado, é bem provável haver uma má intenção por trás, quer dizer, o Compliance deve estar atrapalhando alguém de fazer a coisa errada!

Nós, da Compliance Total, Compliance Station e da Contato Seguro, temos o propósito de atuar no ambiente corporativo e contribuir na construção de um Brasil melhor, com mais ética e integridade. Por esse motivo, escrevemos esse artigo para desmistificar o Compliance e disseminá-lo para todos.

Compliance não é análise de crédito, financeira ou fiscal

Um dos equívocos existentes no mercado é atribuir ao Compliance tarefas estranhas ao seu legítimo papel. Uns acreditam ser o Compliance uma área de auditorias. Outros enxergam o Compliance como departamento de controle. Há ainda a imagem do Compliance como análise de crédito… ou até como supervisor fiscal ou financeiro. E assim por diante.

Possivelmente, as organizações identificam necessidades específicas e não sabem quem ou qual setor poderia se incumbir de atendê-las. Acabam denominando esse setor de Compliance ou, se já tiverem esse sistema implementado, repassam tais atribuições a seus responsáveis. 

Dessa forma, instaura-se o conflito. De um lado, os colaboradores ficam sem saber direito a utilidade do Compliance. De outro, algo muito comum ocorre: os profissionais dessa área deixam de cumprir a sua obrigação primária, para fazer o que lhes foi delegado.

Não à toa, observa-se tão grande número de insatisfeitos com o Compliance e tantos detratores! Ele, em vez de realizar sua missão nobre e gerar inúmeros benefícios para a companhia, presta-se ao cumprimento de responsabilidades diversas e deixa várias lacunas indesejáveis.

O que é Compliance afinal?

No começo, o Compliance tinha foco financeiro, de acordo com a sua definição original de estar ligado ao cumprimento de leis, regras e normas, como indica a definição da palavra em inglês (vem do verbo “to comply with”, significando estar em conformidade com). 

Nessa época, no Brasil, um pequeno grupo de pessoas num departamento especializado preocupava-se sobretudo em combater a lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo, cumprindo as regras do Banco Central e COAF. Os demais funcionários pouco tinham conhecimento dessas atividades ou alguma relação com tais encargos.

Com os vultosos casos de corrupção (destaca-se o da Siemens em 2006), as grandes empresas passaram a criar antídotos, para evitar esse tipo de ocorrência tão danosa às suas finanças e à reputação e imagem da marca. Esse movimento aproveitou o nome “Compliance”, ampliando o seu significado e tornando-o perceptível a todos os colaboradores, parceiros comerciais, distribuidores, clientes…

Assim, com esse novo escopo, o Compliance passou a ser um Sistema de Gestão, para evitar desvios de conduta de qualquer natureza, incluindo as questões financeiras aqui abordadas, mas não se limitando a elas, pois alargou sua abrangência para tratar também de conflitos de interesses, furtos, propinas, questões concorrenciais, assédios, discriminação, etc.

Como inexiste prevenção perfeita, esse novo Compliance também se preocupou na detecção de ocorrências indevidas, com a inclusão de Canais de Denúncias, processos de investigação interna, adoção de controles específicos, interfaces com auditorias internas, entre outros processos vitais para seus novos objetivos.

E como seria previsível, foram incorporados processos de remediação, como as atividades do Comitê de Ética, aplicação de medidas disciplinares, corretivas ou de melhoria, etc.

Explica-se, portanto, a definição dos 3 pilares de Compliance: prevenção, detecção e correção.

Quais os benefícios de um Compliance bem implementado?

Com esse Sistema de Gestão bem implementado, as possibilidades dos desvios de conduta, irregularidades e ilicitudes caem de forma vertiginosa, pois os próprios funcionários contribuem com propriedade para trazer os fatos à tona e elucidá-los, tanto com o uso crescente do Canal de Denúncias quanto durante as apurações.

Pessoas mal-intencionadas perdem espaço e, se insistirem nas más ações, serão logo identificadas. 

Dessa maneira, os furtos, o mau uso dos ativos e informações da empresa, a discriminação, o assédio, entre outros males são mitigados, resultando na drástica redução de desperdícios e a melhoria significativa do ambiente de trabalho, com reflexos positivos na produtividade, lucratividade e vantagem competitiva. E o fortalecimento da marca e imagem da instituição é uma consequência natural.

Mas, cuidado… nem todo Compliance funciona bem

Um grande perigo para as empresas é a tentativa de se criar um Compliance sem o devido conhecimento da matéria

Exagerar na dose vai produzir burocracia desnecessária, processos com atividades excessivas, controles em demasia. Ou seja, vai sufocar a organização com medidas supérfluas. Não há dúvidas: em pouco tempo, as pessoas vão se incomodar e passar a se esquivar do Compliance, o qual, pouco a pouco, vai perder o apoio.

Na direção oposta, mas com efeito análogo, está a ideia de se construir o Compliance mais simples possível. Sob o argumento de investir o mínimo, tanto em termos de dinheiro como em tempo, corre-se o risco de se produzir um Compliance de fachada. Quer dizer, em vez de simples, ele se transforma num sistema simplório, sem nenhuma efetividade.

Tanto num extremo quanto no outro o destino estará traçado: haverá desperdício de recursos e o fracasso será inevitável. Em qualquer situação dessa natureza o Compliance será desacreditado, pois a maioria das pessoas imputará a ele a culpa do insucesso e, nessas condições, a retomada é quase impossível. 

Mesmo se o desejo ou a necessidade impuser um recomeço, o esforço seria infinitamente maior. O convencimento dos colaboradores e o apoio geral serão muito mais difíceis, pois o estereótipo equivocado já foi consolidado.

Para evitar esse erro fatal, cada instituição precisa encontrar o seu “ponto ótimo”, isto é, um Compliance customizado, com “a sua cara”, conforme sua cultura organizacional… inútil utilizar jargões prontos ou práticas e documentos dos outros! É imperioso implementar um Compliance verdadeiro, vivo e que represente, de fato, o espírito dessa empresa.

Se você vai fazer, faça certo da primeira vez! 

Somente assim, o Compliance vai prevenir com efetividade os riscos existentes e facultará à organização detectar eventuais desvios de conduta, para propiciar a devida correção. Esse é o único caminho para todos os benefícios citados surgirem, espontaneamente.

Conheça a Compliance Station

Agora que você sabe como funciona o Compliance de fato, que tal implementá-lo corretamente na sua organização?

A Compliance Station é uma plataforma 100% on-line, fácil e simples de operar, com o melhor custo-benefício do mercado. Ela gera um Compliance completo, customizado e adequado à sua empresa.

Compartilhar:

Novidades

Como usar a tecnologia a favor do Compliance para diminuir riscos?

Descubra como aliar tecnologia e Compliance para reduzir os riscos inerentes aos negócios. Um jeito simples, acessível e inteligente de usar uma plataforma 100% digital, em prol da proteção da sua empresa: conheça a Compliance Station e faça um teste gratuito!

Receba novidades

da Compliance Station

Receba o melhor do nosso conteúdo direto no seu e-mail.

Preencha seus dados para receber nossa news:

pt Portuguese
X